Estudo Célula 16 – 2011

EFATÁ – Marcos 7:31-37

 Jesus se dirigia a região de Decápolis. Ao chegar ali algumas pessoas trouxeram um homem surdo e que tinha problemas para falar. Eles queriam que Jesus impusesse as mãos sobre de que fosse curado.

Vamos estudar hoje, como Jesus desobstruiu a vida daquele homem e as lições que podemos aprender dessa passagem:

1. Jesus age soberanamente (vs. 32-34)

É muito interessante notar o fato de que algumas pessoas tiveram compaixão daquele homem. Sua condição era terrível, de profundo isolamento. Sua vida estava trancada e fechada. Nada entrava e saía. Não se comunicava e não relacionava com o mundo exterior e com as pessoas. Se não fosse por aquelas pessoas, aquele homem não ficaria sabendo que Jesus estava lá, que poderia curá-lo.

Aquelas pessoas queriam que Jesus impusesse sua mão sobre aquele homem, mas Jesus, agiu de uma maneira diferente:

  1. Ele levou-o à parte, longe da multidão.
  2. Jesus colocou os dedos nos seus ouvidos, cuspiu e tocou na língua do homem.
  3. Voltou os olhos para os céus e com um profundo suspiro, disse-lhe: Efatá**

** Palavra em aramaico (língua popular também falada pelos judeus) que significa “abra-se”.

Não podemos determinar como Jesus deve agir em nossas vidas ou na vida das outras pessoas. Devemos suplicar por sua ajuda e deixar que Ele cuide dos resultados. Jesus não impôs a mão sobre o homem e também não operou a cura na frente da multidão.

2. Jesus opera conforme a necessidade de cada um (vs. 33- 34)

Qual era a verdadeira necessidade daquele homem? Ouvir e falar. Necessariamente nessa ordem. Jesus sabia exatamente qual era o problema que ele enfrentava. Ele sabia que o problema era a sua surdez e que a dificuldade da decorria da sua falta de audição. Note bem, ele não era mudo.  Jesus ministra as necessidades pessoais daquele homem e por essa razão age daquela forma peculiar e até estranha aos nossos olhos:

  1. Ele coloca os dedos nos seus ouvidos.
  2. Cospe.
  3. Toca em sua língua.
  4. Levanta os olhos para os céus, suspira profundamente e diz uma palavra.

Por que Jesus agiu assim? Provavelmente porque ele queria que aquele homem visse e percebesse o processo da cura. Se Jesus apenas orasse por ele, aquele homem não seria capaz de ouvir as palavras de Jesus e não poderia se apropriar pela fé a cura que Jesus operaria em sua vida. Nesse caso Jesus providenciou um recurso visual para aquele que não podia ouvi-lo. Aquele homem viu e sentiu Jesus tocar em seus ouvidos, o viu cuspir, sentiu o toque em sua língua, viu seus olhos levantados aos céus, seu suspiro profundo, seus lábios se mexendo. A cada ação de Jesus, o coração daquele homem era invadido por esperança e fé.

 

Jesus cuidou não só do resultado final, mas também do processo da cura. Em cada etapa desse processo havia um propósito claro: fortalecer a fé.

3. Jesus é mestre em restaurar vidas (vs.35-37)

O restaurador é aquele recupera algo. Em especial, é a pessoa que recupera obras de arte como quadros, esculturas, monumentos, construções, livros e outros objetos valiosos.

Jesus é o restaurador de vidas. Ele é capaz de recuperar uma vida quebrada, machucada, maltratada. Ele é o mestre por excelência na arte de restaurar vidas e de restabelecê-las. Jesus restaurou a vida do homem surdo e com dificuldades para falar. Jesus desobstruiu sua vida e seus caminhos.Os ouvidos se abriram, sua língua ficou livre e ele começou a falar corretamente.

 

Jesus pode fazer o mesmo conosco, hoje e agora. Ele pode tocar em nossas vidas, pode retirar todo o mal, pode interceder aos céus e declarar: Efatá.

 

O povo ficou maravilhado e testemunhava que Jesus faz tudo muito bem!

 

Conclusão:

Você precisa ouvir um Efatá de Jesus hoje? Em que área de sua vida você gostaria que Jesus lhe abrisse seu caminho?

Tenha a certeza, Jesus faz tudo muito bem! Ele tem o melhor para as nossas vidas, nada lhe impossível, pois Ele pode fazer o surdo ouvir e o mudo falar.

Oração e convite para confiar em Jesus.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *